Shell: ponto de equilíbrio dos projetos deve ser inferior a US$ 30 por barril

O presidente da Shell no Brasil, André Araujo, afirmou que a empresa trabalha com parceiros para reduzir o "ponto de equilíbrio" dos projetos dos quais participa no País. A intenção é que esse ponto de equilíbrio seja inferior a US$ 30 por barril, disse o executivo, em palestra no seminário FT Commodities - Americas Summit 2018. Essa é a cotação mínima para que um projeto seja considerado viável.

O executivo destacou que o atual ponto de equilíbrio é de US$ 30 a US$ 35 por barril e que esse valor era maior quando a Shell começou a trabalhar com a Petrobras. As duas empresas são sócias na área de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos. Desde que o setor entrou em crise, em 2015, todas as grandes petroleiras foram obrigadas a implementar programas internos de redução de custos para viabilizar seus projetos.

Araujo afirma que a Shell não considera as volatilidades de preço de curto prazo. Por isso, a alta dos últimos meses não chega a afetar o seu plano de investimento. "Na Shell trabalhamos com um cenário completamente diferente tentando evitar a volatilidade. Estamos fazendo um grande esforço de disciplina no planejamento de projetos. Queremos manter desta forma e esperamos estar prontos para ganhar mais dinheiro", afirmou.

Sobre o efeito das eleições no setor, Araujo afirmou que vai aguardar o resultado das votações para se posicionar. "Vamos esperar o novo presidente e que decida cada estratégia específica que cada um vai implantar. Tenho certeza que esta indústria tem muita contribuição a dar, porque pode gerar muito emprego", argumentou.